Artigo

por Isabel Meirelles-Advogada e Especialista em Assuntos Europeus e Internacionais

Os desafios dos países dos Balcãs Ocidentais na entrada na União Europeia 

A União Europeia, na sua estratégia de alargamento, definiu prioridades e áreas de cooperação reforçada conjunta, abordando os desafios específicos que os Balcãs Ocidentais enfrentam, em particular a necessidade de reformas fundamentais e boas relações de vizinhança. Estes países, por sua vez, tentam descolar-se da Rússia pelo esforço da integração europeia.

Uma perspetiva credível do alargamento exige valores sustentados e reformas irreversíveis. O progresso ao longo do caminho europeu é um processo objetivo e baseado no mérito que depende dos resultados concretos alcançados por cada país.

A Comissão Europeia consolidou um plano de apoio para o alargamento aos países dos Balcãs com seis iniciativas emblemáticas destinadas a áreas específicas de interesse comum: Estado de direito, segurança e migração, desenvolvimento socioeconómico, transportes e energia, agenda digital, reconciliação e boas relações de vizinhança, estando previstas ações concretas nestas áreas entre 2018 e 2020.

Para cumprir a Estratégia dos Balcãs Ocidentais e apoiar uma transição uniforme para a adesão, é indispensável um financiamento que irá aumentar gradualmente ao abrigo do Instrumento de Assistência de Pré-Adesão até 2020, na medida em que as reafetações no âmbito do envelope financeiro existente o permitam. Só em 2018 já está prevista uma ajuda de pré-adesão de 1,07 mil milhões de euros para os Balcãs Ocidentais, além de quase 9 mil milhões de euros do período 2007-2017. A UE é a maior investidora, doadora e parceira comercial nos Balcãs Ocidentais.

Os países mais avançados na discussão dos dossiers são o Montenegro, com três dossiers dos 35 fechados e 28 em negociação, e a Sérvia, com dois dossiers dos 35 fechados e 10 em negociação, com vista a concluir o processo de adesão em 2025. Esta perspetiva de adesão destes países dependerá, em última análise, de uma forte vontade política, da realização de reformas reais e sustentadas e de soluções definitivas para as disputas com os vizinhos.

Oportunidade de avançar

Todos os Balcãs Ocidentais têm a oportunidade de avançar nos seus respetivos caminhos europeus. A Comissão faz a sua avaliação periodicamente com base nos seus próprios critérios e na velocidade com que progridem. A Albânia e a antiga República Jugoslava da Macedónia estão a realizar progressos significativos na sua trajetória europeia e a Comissão está disposta a preparar recomendações para a abertura de negociações de adesão, com base nas condições preenchidas.

A Comissão começará também a preparar um parecer sobre o pedido de adesão da Bósnia e Herzegovina após a receção de respostas completas ao seu questionário de adesão. Com esforço e empenho sustentados, a Bósnia e Herzegovina poderá candidatar-se à adesão.

O Kosovo tem também essa oportunidade, mas terá primeiro de se reorganizar politicamente e de forma estrutural para dar um sinal político à União Europeia, dado que existem cinco países que não o reconhecem como Estado.

O Kosovo tem uma das populações mais jovens da Europa, pois 53% dos habitantes tem menos de 25 anos, uma taxa de desemprego de 34,8%, o radicalismo islâmico à espreita e as tensões entre albaneses e sérvios sempre latentes, o que faz dele um dos países mais pobres do continente. Durante muito tempo um protetorado internacional, gerido por missões da ONU, NATO e União Europeia, o país só é reconhecido como tal por 113 dos 193 Estados da ONU, até ao momento. Dos 28 membros da UE, cinco – Espanha, Roménia, Chipre, Grécia e Eslováquia – não reconhecem ainda hoje o Kosovo.

Conclusão necessária

Em suma, se é verdade que as necessidades geopolíticas recomendam alguma integração destes países, também é verdade que a sua adesão implicaria trazer mais conflitos para uma Europa que continua profundamente instável a Leste, com efeitos de contágio a Ocidente.

A história recente recomenda que não devam aderir à União Europeia Estados que não tenham democracias perfeitamente musculadas, interiorizadas e estáveis, o que manifestamente, ainda, não é o caso dos países dos Balcãs Ocidentais.

Mais informação em http://www.revistafrontline.com/opiniao/paises-dos-balcas-ocidentai/

30 de Maio de 2018

Artigo da Senior Partner da VSM, Dra. Isabel Meirelles, na revista Frontline sobre os países dos Balcãs Ocidentais

por Isabel Meirelles-Advogada e Especialista em Assuntos Europeus e Internacionais Os desafios dos países dos Balcãs Ocidentais na entrada na União Europeia  A União Europeia, na sua […]
13 de Março de 2018

Artigo da Senior Partner da VSM, Dra. Isabel Meirelles, na Magazine Conceitos do Mundo referente aos resultados das eleições italianas

Após os resultados conhecidos das eleições italianas, que varreram politicamente, quase por completo, o centro direita e o centro esquerda, os resultados parecem projetar na Europa […]
11 de Fevereiro de 2018

Artigo da Senior Partner da VSM, Dra. Isabel Meirelles, na revista Frontline sobre o vazio governativo na Alemanha

DIE GROSSE KOALITION A GRANDE COLIGAÇÃO Não é vulgar ver-se na Alemanha uma indefinição e um vazio governativo como aquele que dura há mais de cem […]
13 de Novembro de 2017

Parceria VSM – Câmara de Comércio, de Indústria e de Serviços Suíça-Portugal

mais informação em www.ccissp.ch